"Quem não conhece Deus, mesmo podendo ter muitas esperanças, no fundo está sem esperança, sem a grande esperança que sustenta toda a vida" (Spe Salvi - Bento XVI)

terça-feira, 2 de dezembro de 2014

Começar pelo começo

Uma das coisas mais importantes e básicas para o processo de ensino é oque se expressa perfeitamente com a conhecida expressão “começar pelo começo”. Dizer isso pode parecer supérfluo por ser óbvio, mas, infelizmente, nem sempre o óbvio tem sido percebido e levado em consideração.

René Descartes, em seu Discurso do Método, escreve que se deve começar

pelos objetos mais simples e os mais fáceis de serem conhecidos, para pouco a pouco subir, como por degraus, até o conhecimento dos mais complexos[1].

Santo Tomás de Aquino, nos primeiros parágrafos de sua obra O Ente e a Essência, a qual escreveu ainda em verdes anos, diz que organizaria o conteúdo

de tal modo que, começando pelo mais fácil, o aprendizado se dê de maneira mais adequada[2]

Um professor que não observe nem sequer essa premissa “óbvia e ululante”deixa de ajudar e passa até mesmo a prejudicar a turma; sem exageros, podemos dizer que ele se converte em um obstáculo para o progresso no conhecimento.

Em obstetrícia, há um antigo adágio que diz que o bebê nasce com o médico, sem o médico ou apesar do médico. Transportando esta lição analogicamente da sala de parto para a sala de aula, podemos dizer que o bom aluno estuda com o professor, sem o professor ou apesar do professor. Todavia, o desejável é termos sempre bons médicos e bons professores para que os bebês nasçam com o auxílio dos primeiros e os alunos aprendam com a ajuda dos últimos. Com efeito, é justamente acreditando nos benefícios do serviço prestado por estes profissionais que as pessoas procuram tanto uns quanto outros. Se soubéssemos de antemão que um médico atrapalharia o parto e um professor dificultaria os estudos, não haveria motivo para procurá-los. Pelo contrário, seria bom dar a eles a mesma advertência que encontramos nas inscrições atrás das carretas: “MANTENHA DISTÂNCIA”.

Parece-me perfeitamente compreensível que alguém tenha que ser um autodidata em muitas situações, quando é impossível contar com a assistência de um mestre. Porém, é lamentável que, tendo um preceptor, o aluno tenha ainda que ser autodidata no sentido mais largo do termo.

Recordo-me de um professor que, no ano propedêutico[3], deu-nos a ler um texto extremamente complexo bastante conhecido nos meios acadêmicos. O título era Dialética da Secularização e consistia num diálogo entre o filósofo Habermas e o Cardeal Ratzinger. Naquela ocasião, nenhum de nós (alunos) sabia com segurança o significado nem de dialética nem de secularização. Ouso dizer que até hoje não sabemos bem! Para agravar a situação, a atitude de pesquisar nos dicionários ou em quaisquer outras fontes está bem longe de ser um hábito universal dos estudantes brasileiros e, naquela nossa turma, não era diferente. De fato, embora tenhamos lido o texto completo e até participado de “discussões” em sala de aula, a maioria terminou o ano sem ter entendido nem sequer o título daquela obra.

De outra feita, já no curso de Filosofia da Instituição em que fazemos faculdade[4], um professor da disciplina de Introdução à Filosofia, ministrada no primeiro período do curso, interrogou-me insistentemente (e também a outros) com a seguinte questão:

“Em sua opinião, o que está correto: a essência precede a existência ou a existência precede a essência?”

A possibilidade de que alunos do primeiro período tenham conhecimentos suficientes para responder a essa questão é mínima. Atrevo-me a dizer que mesmo a maioria dos graduados não está apta a dar uma resposta satisfatória e bem fundamentada. Pior ainda, muitos daqueles que estão nas cátedras universitárias, com mestrado, doutorado ou sei lá que grau de pós-graduação, não responderiam senão de maneira superficial, quando não falaciosa. Os conceitos de existência, essência e precedência são complexos e assumem distintos sentidos na obra dos diferentes filósofos e nos diversos contextos.

Além do mais, entra aqui um problema de linguagem. As palavras existência, precedência e essência fazem parte do vocabulário corriqueiro de qualquer um de nós. Assim, quando ouvimos “precedência” pensamos logo no sentido cronológico. Mas há também o sentido ontológico que é importante na Filosofia, mas praticamente ausente na nossa comunicação diária. Com a palavra essência a dificuldade fica ainda mais nítida. Por exemplo, quem nunca ouviu dizer que um banheiro ou uma sauna estão perfumados com essência de eucalipto? Certamente não era este o sentido que Santo Tomás tinha em mente quando usava o termo essência. Portanto, o professor tinha que explicitar exatamente o que pretendia significar com essas palavras naquele dia. Não se pode usar indiscriminadamente uma palavra com múltiplos significados.

Só para completar o relato, pelo menos que eu tenha notícia, o referido professor não deu jamais uma explicação satisfatória. Disse-nos que para os existencialistas a existência precede a essência; para os tomistas, o inverso; e, para ele mesmo, não há precedência alguma. Três possibilidades, todas elas obscuras para nós e, possivelmente, para ele também.

Porém, o mais importante para mim é o seguinte: para perceber a dificuldade desta questão (e também de muitas outras), se faz necessário ter duas coisas, pelo menos: humildade e honestidade intelectual. Infelizmente, eu percebi serem (ambas) qualidades incomuns nos alunos e nos professores. Assim, muitas vezes as pessoas pensam (ou dizem) entender bem aquilo sobre o que não sabem quase nada. Isto, de per se, constitui um obstáculo enorme à busca do conhecimento.

Perceber que um assunto difícil é difícil é um dom. Parece uma coisa simples, mas tenho notado que não é. E, na verdade, isso é praticamente uma condição sine qua non para o progresso de um estudante dedicado e, mais ainda, para alguém que deseja ser filósofo!

O famoso “sei que nada sei” de Sócrates não é uma mera confissão de ignorância, mas um sintoma de um espírito verdadeiramente filosófico, que admite que não sabe aquilo que não sabe, o que tem muito a ver com perceber que é difícil um assunto difícil.  

(...) Dava-se o caso, com efeito, que nem um nem outro de nós dois soubesse nada de bom nem de belo; mas ele estava convicto de saber enquanto não sabia, e eu, ao contrário, como não sabia, também não julgava saber.
De todo modo, pareceu-me ser mais sábio do que esse homem, ao menos nesta pequena coisa, ou seja, pelo fato de que aquilo que eu não sei, também não afirmo saber[5].

            Outro professor, no fim de uma aula, voltou-se para a turma com cara de lamentação e falou nestes termos (escrevo as palavras exatas que ele usou):

            “A sabedoria que vem da filosofia é saber que não sabe”.

            À primeira vista, parece muito com a expressão atribuída a Sócrates. Mas, no fundo, quer dizer o contrário. Dizer que a sabedoria é “saber que não sabe” é como afirmar que nenhum conhecimento definitivo é possível e, portanto, é afirmar o ceticismo.

Ao contrário, dizer que “não sabe aquilo que realmente não sabe” é tão somente ser intelectualmente honesto e humilde.

            O não-saber socrático não é o ponto de chegada do filósofo, mas o ponto de partida. Reconhecer que não sabe aquilo que não sabe é o pré-requisito necessário para começar a estudar. Por outro lado, pretender que o “não-saber” é o melhor resultado dos esforços filosóficos é um ceticismo facilmente refutável. Afinal, a sentença “saber que não sabe” é contraditória porque quem sabe que não sabe já sabe pelo menos de alguma coisa: que não sabe. Pelo que li, parece que Pirro foi mais coerente que os atuais céticos porque, acreditando que não se pode chegar a qualquer conhecimento verdadeiro, ele também se negava a ensinar.

            A humildade e a honestidade intelectual são as duas colunas que devem sustentar todos os esforços do bom aluno. São virtudes sem as quais não se pode pretender ser um bom aluno e muito menos um bom professor e, ainda menos, um filósofo.

            A humildade abre as portas para o conhecimento verdadeiro, como Nosso Senhor Jesus Cristo, fonte de toda sabedoria, deixou claro quando disse:

Eu te bendigo, Pai, Senhor do céu e da terra, porque escondeste estas coisas aos sábios e entendidos e as revelaste aos pequenos (Mt 11, 25)[6].

            A parábola das casas construídas uma sobre a rocha e outra sobre a areia, embora tenha sentido espiritual, também é aplicável aqui, por analogia. Quem não se empenha em conhecer bem aquilo que é mais necessário e elementar não pode avançar com segurança para os assuntos mais difíceis. E quem não constrói sua vida intelectual sobre as virtudes da humildade e da honestidade, não pode ser um estudante bem sucedido.

No caso do Evangelho, Jesus refere-se à Sua Palavra, que é a rocha firme sobre a qual devemos edificar nossa vida. Também as bases sobre as quais podemos construir a nossa vida acadêmica são os conhecimentos mais simples e certos a partir dos quais podemos nos aventurar, com humildade e honestidade intelectual, pelo mundo da ciência. As palavras de Nosso Salvador, como registradas pelo Evangelista, são incomparavelmente belas e clarificadoras:

Aquele, pois, que ouve estas minhas palavras e as põe em prática é semelhante a um homem prudente, que edificou sua casa sobre a rocha. Caiu a chuva, vieram as enchentes, sopraram os ventos e investiram contra aquela casa; ela, porém, não caiu, porque estava edificada na rocha. Mas aquele que ouve as minhas palavras e não as põe em prática é semelhante a um homem insensato, que construiu sua casa na areia. Caiu a chuva, vieram as enchentes, sopraram os ventos e investiram contra aquela casa; ela caiu e grande foi a sua ruína (Mt 7, 24-27).
        
    Muitos ditados populares seguem uma lógica parecida: não se pode começar a construir uma casa pelo telhado; de grão em grão é que a galinha enche o papo; não se deve por a carroça na frente dos bois.

            Não estou dizendo nada de extraordinário e nem tenho essa pretensão. Ao contrário, apenas tagarelo sobre aquilo que é óbvio e que muitos outros já explicitaram com muito maior competência desde tempos antigos. Por infortúnio, nossa época é de tal modo estranha que, por vezes, se torna difícil notar aquilo que está bem diante de nosso nariz. Estamos como aquele cego do Evangelho que, respondendo à pergunta de Jesus (o qual lhe tinha passado saliva nos olhos) sobre o que enxergava, disse que via os homens como se fossem árvores que andam (cf. Mc 8, 22-25).











[1] Ibidem, p. 42.
[2] TOMÁS DE AQUINO. O Ente e a Essência, 7ª edição. Vozes, 2005, p. 13.
[3]Em muitas Dioceses, o ano propedêutico é preparatório para o ingresso no Seminário Maior.
[4]Atualmente, os seminaristas seculares de minha Diocese fazem o curso superior de Filosofia em uma instituição fora dos muros do Seminário.
[5] PLATÃO. Apologia de Sócrates. Citado em REALE, G., ANTISERI, Dario. HISTÓRIA DA FILOSOFIA. Vol. 1.  Ed. Paulus, 4ª Ed., 2009, p. 110.
[6] A tradução da Bíblia usada em nossas citações é a da editora Ave-Maria.

terça-feira, 14 de janeiro de 2014

A vida interior do discípulo-missionário segundo a Exortação do Papa

A ainda recente Exortação Apostólica Pós-Sinodal do Papa Francisco, chamada Evangelii gaudium, é um texto riquíssimo e muito denso.

Todavia, como tem sido frequente acontecer, as pessoas interpretam tudo superficialmente e com as lentes de diversas ideologias. Não quero discutir essa questão.

Passei os últimos dias a fazer uma leitura meditada do texto inteiro, procurando livrar-me dos meus próprios conceitos preestabelecidos a fim de reformar a minha vida à luz dos conselhos do Santo Padre. Com efeito, muitos trechos me marcaram profundamente e me colocaram, por assim dizer, contra a parede. Em muitos outros encontrei motivações para desejar a santidade, para tentar viver à altura do Evangelho, para trilhar as sendas da perfeição cristã. O Papa insiste nisso em várias passagens!

Por vezes, ouvimos tantas mensagens de pessoas (até envolvidas na vida eclesial!) que nos desestimulam a caminhar com Jesus. São pessoas que afirmam a toda a hora que não se deve fazer esforço para cooperar com Cristo no aperfeiçoamento da vida e na prática das virtudes, senão que se deveria "aceitar-se como se é". E então, olhando para o resultado nem sempre imediato e visível de nossas obras e orações, pensamos que devem ter razão os que nos levantam objeções e acusações.

Por isso mesmo, sempre devemos convencer-nos de novo que não é isso que Jesus espera de nós. E o Santo Padre não nos pede isso. Parafraseando o Papa Francisco, digo com força: não deixemos que nos roubem o desejo de ser santos!

Apenas compartilho um trecho da Exortação que para mim resultou muito salutar, especialmente nesse período de início de ano, em que todos procuramos fazer nossos projetos e traças novas metas. Espero que essa leitura anime todos os leitores, como animou a mim.Viva Jesus!

"A pessoa sabe com certeza que a sua vida dará frutos, mas sem pretender conhecer como, onde ou quando; está segura de que não se perde nenhuma das suas obras feitas com amor, não se perde nenhuma das suas preocupações sinceras com os outros, não se perde nenhum ato de amor a Deus, não se perde nenhuma das suas generosas fadigas, não se perde nenhuma dolorosa paciência. Tudo isto circula pelo mundo como uma força de vida. Às vezes invade-nos a sensação de não termos obtido resultado algum com os nossos esforços, mas a missão não é um negócio nem um projeto empresarial, nem mesmo uma organização humanitária, não é um espetáculo para que se possa contar quantas pessoas assistiram devido à nossa propaganda. É algo de muito mais profundo, que escapa a toda e qualquer medida. Talvez o Senhor Se sirva da nossa entrega para derramar bênçãos noutro lugar do mundo, aonde nunca iremos. O Espírito Santo trabalha como quer, quando quer e onde quer; e nós gastamo-nos com grande dedicação, mas sem pretender ver resultados espetaculares. Sabemos apenas que o dom de nós mesmos é necessário. No meio da nossa entrega criativa e generosa, aprendamos a descansar na ternura dos braços do Pai. Continuemos para diante, empenhemo-nos totalmente, mas deixemos que seja Ele a tornar fecundos, como melhor Lhe parecer, os nossos esforços" (Evangelii gaudium, n. 279)